terça-feira, 16 de outubro de 2012

Câmara presta última homenagem a Idalina



Escritora, poetisa, historiadora e professora, Idalina recebeu os títulos de Cidadã Benemérita e de Castrense que Brilha


Na manhã desta terça-feira, 16, às 9 horas, a Câmara Municipal de Castro prestou a última homenagem à Digníssima Cidadã Benemérita de Castro e “Castrense que Brilha” Idalina Bueno de Magalhães, que faleceu na manhã deste 15 de outubro.
            O Presidente da Casa, Joel Elias Fadel, conduziu a Sessão Solene de Homenagem Póstuma e logo no inicio solicitou aos Vereadores José Carlos Milczwski, Edson Benedito Teixeira Strickert e José Nelson de Farias que colocassem sobre o esquife da escritora, poetisa, historiadora e professora Idalina, a bandeira da cidade de Castro.
            Em seguida os presentes fizeram um minuto de silêncio e, após este momento, o Vereador Gerson Sutil proferiu, em nome de todos os vereadores, uma saudação em homenagem a esta ilustre castrense. Sutil citou os cursos e cargos exercidos pela homenageada, lembrou aos presentes da bondade e generosidade que sempre acompanharam Idalina. “Para a cidade foi uma honra imensurável ter uma filha que tanto se dedicou para elevar e manter viva a memória de nossa cidade através de suas obras”, enfatizou Sutil.
            Representando o Executivo Municipal, o Procurador Jurídico, Ronie Cardoso, agradeceu as contribuições de Idalina, principalmente nas áreas de Educação e Cultura do Município. “Dona Idalina era uma embaixadora de Castro em Curitiba, sempre cobrando da imprensa da capital, por notícias de Castro nos jornais”, ressaltou Cardoso.
            No momento em que ficou livre o uso da palavra, Silvia Napoli, amiga da família, citou fragmento de um poema de Rubem Alves que diz: “Quem é rico em sonhos não envelhece nunca. Pode até ser que morra de repente. Mas morrerá em pleno voo.”.
            Antes de finalizar a sessão, Joel Fadel, agradeceu a presença de todos que vieram à Casa de Leis compartilhar da despedida desta honrada castrense, e em nome de toda a comunidade estendeu um abraço a todos os familiares. “A saudade de Dona Idalina será imensa, mas o orgulho de descender desta incansável disseminadora de conhecimento, sempre os acompanhará”, finalizou o Presidente.

Idalina Bueno de Magalhães

Idalina Bueno de Magalhães (FOTO) nasceu em Castro em 13 de fevereiro de 1916. Filha de Licínio Pereira Bueno e Leonete Franco Bueno, casou-se com João Mendes de Magalhães e, desta união, nasceram três filhos: Lília, Gil e Leila Maria.
Realizou seus cursos primário e médio no Grupo Escolar Dr. Vicente Machado, Colégio São José, Colégio Novo Ateneu, Ginásio Paranaense e Universidade do Paraná. Cursou a faculdade de filosofia, ciências e letras de Ponta Grossa- Paraná, recebendo diploma de Bacharel e de Licenciatura Plena em Geografia e História, em 1956, ocasião em que foi a oradora da turma.
Foi Secretária da Prefeitura Municipal de Tomazina, Funcionária do banco Popular e Agrícola do Norte do Paraná (atual HSBC), em Tomazina e Santo Antônio da Platina, Funcionária da Casa Bancária Vicente Fiorillo em Castro, Escriturária e Escrevente da 3ª Circunscrição Agrícola em Castro, Assistente Técnica da Divisão de Ensino Secundário, da Secretaria de Estado da Educação, em Curitiba.
Exerceu o Magistério nos seguintes locais: Escola Primária Fazenda dos Órfãos, Curso de Madureza do Prof. Carlos Decker, Escola de Comércio Fátima, Escola Normal São José, Ginásio São José, Colégio Estadual Major Vespasiano Carneiro de Mello, SENAC de Castro, Escola Estadual Santos Dumont de Curitiba, e Diretora da Escola Normal Colegial Amanda Carneiro de Mello em Castro. Foi professora particular de Português, Francês, Geografia, História e Datilografia.
Integrante da Academia de Letras dos Campos Gerais, ela ocupava a cadeira de número 27, e foi homenageada por ser a sócia mais antiga desta academia. Além desta, fazia parte da Academia Feminina de Letras do Paraná, da Associação Profissional de Escritores do Paraná e da Academia José Alencar.
Idalina divulgou vários trabalhos na imprensa, participou de vários concursos literários e publicou algumas obras de sua autoria.  Com as obras Narrativas, de 1999, e Escritos, de 2000, a escritora aparece nas pesquisas da Biblioteca Nacional de Portugal.
Em 1999 Idalina foi outorgada como Cidadã Benemérita da Cidade de Castro e, em 2007, recebeu o título de “Castrense que Brilha”, em reconhecimento pelo seu imenso valor.

Postar um comentário