terça-feira, 22 de abril de 2008

Um momento de reflexão: sobre o trânsito

Cheguei de viagem durante o feriado e juntei a pilha de jornais da semana... Feriado chuvoso, não deu outra: li muita coisa interessante.
Um artigo em especial me chamou a atenção. Isso porque se trata de uma matéria que discuto muito na minha roda de amigos: o trânsito.
Como "vivo" na estrada, estou acostumada a ver muitas bárbaries e barberagens nas rodovias. É comum ver carros trafegando tranqüilamente na pista da esquerda - e, pra quem não sabe, mesmo em pista dupla, essa faixa é destinada SOMENTE para ultrapassagens - ou testemunhar ultrapassagens perigosas pela faixa da direita (os apressados, sempre!).
A jornalista Marleth Silva publicou no jornal Gazeta do Povo do último sábado, 19, um artigo sob o título "O trânsito mata. E daí?" O título "agressivo" vem do levantamento feito por ela, que sinceramente, assustou-me: no Brasil, a cada UM minuto acontece um acidente de trânsito! São 45 mil mortos por ano, ou seja, 123 por dia.
Pensem em proporções: Castro, minha cidade natal, tem 65 mil habitantes. Em suma: a cada ano, no Brasil, 70% "da cidade" morre nas ruas e rodovias.
Fiquei "de cara"!
O duro é verificar que o automóvel é uma arma em potencial na mão dos brasileiros, mas não em outras nações, nas quais proporcionalmente o número de acidentes e mortes é muito menor.
Coincidência ou não (não sou lá de acreditar muito em coincidências), neste mesmo feriado acabei assistindo uma reportagem na TV sobre a necessidade urgente de se alterar o Código Nacional de Trânsito a fim de que motoristas alcoolizados recebam penas mais duras por seus crimes nas ruas. A cada dia, estima-se que 280 mil brasileiros assumem o volante de um carro BÊBADOS. Mesmo sabendo que podem se tornar assassinos...
Pra complementar, recebi via Orkut um apelo: a família de uma estudante catarinense criou no My Spaces uma Associação em prol da conscientização ds motoristas, considerando que a jovem Kysi Izadora foi morta 15 dias antes da sua formatura em acidente que poderia ter sido tranqüilamente evitado (veja mais em http://alcinamd.spaces.live.com/ ). Um nome para uma das 45 mil vítimas presentes nas estatísticas anuais do nosso país.

Cabe a nós, motoristas, que estamos diariamente ao volante, repensarmos nossas atitudes. Estamos fazendo de nosso carro uma arma contra nós e contra nosso próximo?
Em razão de pressa ou imprudência, queremos nos tornar assassinos de outros seres humanos?
Pra pensar...

Sugiro a leitura:
e
Postar um comentário